Aumentar fonte:

Estoque da Dívida Pública Federal recua 0,07% em julho

Destaque do mês foi a emissão externa de US$ 1,5 bilhão do Global 2047, que atraiu forte demanda

O estoque da Dívida Pública Federal (DPF) diminuiu 0,07% em julho na comparação com junho, passando de R$ 2,958 bilhões para R$ 2,956 bilhões. Essa variação é explicada pelo resgate líquido de R$ 31,57 bilhões, compensado, em parte, pela apropriação positiva de juros no valor de R$ 29,44 bilhões. 

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) recuou 0,20%, para R$ 2,832 bilhões, enquanto a Dívida Pública Federal externa (DPFe) cresceu 2,97%, para R$ 124,36 bilhões. As informações estão no Relatório Mensal da Dívida, divulgado nesta segunda-feira (26/09)pela Secretaria do Tesouro Nacional.

Um dos destaques de julho foi o lançamento, no mercado dos Estados Unidos, do Global 2047, um novo bônus de referência de 30 anos, no valor de US$ 1,5 bilhão. "Foi uma emissão que teve demanda expressiva, acima de US$ 6 bilhões", comentou a coordenadora de operações da dívida pública, Marcia Fernanda Tapajós. 

O bônus foi colocado no mercado ao preço de 96,464% do seu valor de face, o que resultou em taxa de retorno para o investidor (yield) de 5,875% e cupom de 5,625%. A operação foi realizada com spread de 357,20 pontos-base acima do título de dívida do Tesouro americano com prazo similar.  

Indexadores, composição e prazos

Na divisão por indexadores, a parcela de títulos prefixados na DPF diminuiu de 36,30% em junho para 35,23% em julho, enquanto a de papéis indexados a índices de preços aumentou de 33,73% para 34,25%. A fatia de títulos a taxa flutuante aumentou de 25,75% para 26,16% e a de papéis atrelados ao câmbio subiu de 4,22% para 4,36%.

Entre os detentores, a parcela do grupo Previdência na DPMFi cresceu de 23,57% em junho para 24,36% em julho, enquanto a de instituições financeiras recuou de 23,65% para 22,85% entre os dois meses. A parcela de não residentes oscilou de 16,41% para 16,23%. Na carteira desse grupo, 86,8% dos títulos são prefixados.

O percentual de títulos da DPF com vencimento nos próximos 12 meses, por sua vez, cresceu de 20,44% em junho para 20,61% em julho. O prazo médio da dívida avançou de 4,55 para 4,62 anos entre junho e julho, enquanto a vida média, que considera apenas o principal e é mais utilizada na literatura internacional, passou de 6,46 para 6,54 anos.

O custo médio da DPF diminuiu de 13,80% ao ano em junho para 13,33% em julho. O custo médio da DPFMi recuou de 14,02% para 13,81%, enquanto o da DPFe apresentou queda expressiva, passando de 9,34% para 1,92% ao ano, devido à menor valorização do dólar.

Tesouro Direto

Segundo o relatório do Tesouro, as emissões do programa de vendas de títulos públicos a pessoas físicas atingiram R$ 1,579 bilhão em julho, enquanto os resgates somaram R$ 554,56 milhões, resultando em emissão líquida de R$ 1,024 bilhão. Quase 60% da demanda correspondem a títulos remunerados por índices de preços.

O estoque do Tesouro Direto alcançou R$ 34,154 bilhões, um aumento de 4,16% sobre junho.  O número de investidores cresceu em 50.451 no mês, atingindo 885.286, 64,86% maior que o de julho de 2015.