Aumentar fonte:

Modelo de Gestão

O planejamento institucional do Tesouro Nacional é estruturado a partir dos seguintes parâmetros estratégicos:

1. Diretrizes estratégicas,
2. Objetivos estratégicos,
3. Metas e
4. Macroações
5.
Comitê de Gestão Estratégica Ampliado

 

Diretrizes Estratégicas

As Diretrizes Estratégicas declaram prioridades para atuação do Tesouro Nacional tornando-se, desta forma, guias para formulação dos demais parâmetros.
De caráter interno ou externo, as diretrizes têm larga abrangência, caráter longevo e independem de considerações situacionais, não sendo, entretanto, imunes a revisões na medida em que devem direcionar a atuação da instituição em observância às necessidades do Estado.
Prevê-se sua validação a cada cinco anos por ocasião da atualização dos objetivos estratégicos ou na medida da necessidade de adequação da casa a direcionadores governamentais.
As diretrizes estratégicas, estabelecidas em 2009, são apresentadas em seguida:
• Criar condições para que se alcance o resultado nominal equilibrado nos anos seguintes;
• Aprimorar a qualidade, a eficiência, a eficácia e a transparência do gasto público;
• Promover a modernização e a expansão da Gestão de TI da STN e
• Promover o fortalecimento institucional da STN com o aperfeiçoamento organizacional dos fluxos e processos internos e a valorização dos recursos humanos.

 

Objetivos Estratégicos

Os Objetivos Estratégicos vinculam-se às diretrizes e são definidos para um período de cinco anos. Os primeiros corresponderam ao quinquênio 2010-2014. São validados anualmente, marcando o início de cada ciclo de planejamento.
Os objetivos extraem das diretrizes a concretude necessária a um planejamento de médio prazo, determinando os objetos, os principais assuntos a que deve dedicar-se o planejamento.
Os objetivos encabeçam o aspecto operacional da estratégia e desmembram-se em metas anuais que devem convergir progressivamente, agregando resultados no horizonte de cinco anos, de forma a promover o resultado desejado ao fim deste período.

 

Metas estratégicas

As metas são a idealização do resultado quantitativo ou qualitativo almejado anualmente para buscar a satisfação de um (ou mais) objetivo(s). Devem definir, de forma precisa e concreta, a realidade que se pretende alcançar.
As metas são vinculadas às unidades do Tesouro (Coordenações-Gerais, Assessorias, ...) e requerem a identificação de único responsável, pessoa que coordenará as iniciativas necessárias à sua consecução. Devem ser audaciosas quanto aos desafios que se propõem superar, mensuráveis e realistas.
As metas consolidam o que deverá ser construído pela soma dos produtos de iniciativas estratégicas, ou macroações, em que são necessariamente desdobradas. A cada meta deve corresponder pelo menos uma macroação.
As metas podem ser "próprias", atribuídas e realizadas por uma única unidade (Subsecretaria, por exemplo); "conjuntas", quando a responsabilidade por sua execução exige a contribuição de mais de uma Subsecretaria (corresponsáveis) ou "em articulação", meta de responsabilidade de uma unidade cuja melhor execução recomenda o apoio de outras unidades.

 

Macroações

As macroações, ou iniciativas estratégicas, são projetos ou atuações que efetivamente desenvolvem os produtos para o alcance de determinada(s) meta(s).
Cabe ao líder de meta definir as macroações, atribuí-las a únicos responsáveis e, junto a estes, monitorá-las constantemente a fim de alcançar, com sucesso, os produtos desejados.

 

Comitê de Gestão Estratégica Ampliado

Na formulação metodológica do planejamento institucional merece especial destaque a criação e atuação do Comitê de Gestão Estratégica Ampliado.
Formado pelos Subsecretários, Diretores de Programa, Chefe de Gabinete da STN, Assessoria Econômica e Coordenadores-Gerais, essa reunião de dirigentes é um fator primordial para a integração e a evolução institucional.
Cabe ao Comitê a homologação em cada uma das etapas de formulação, monitoramento e avaliação das metas. Anualmente, conta com a participação do Secretário da STN para a revisão das diretrizes estratégicas e a definição das prioridades do planejamento institucional.
Suas reuniões são altamente proveitosas, dirimindo dúvidas, eliminando sombreamentos, clarificando atribuições, estabelecendo prioridades e evidenciando os rumos a serem observados pela instituição. Suas discussões extrapolam os limites do planejamento, integram a casa, contribuindo para o aperfeiçoamento da gestão e imprimindo maior impacto na atuação do Tesouro Nacional.